Uma rosa

Adrenalina: a sua cor é vermelha. um vermelho bem forte.

mas vamos enfrentá-la como uma rosa. tem os seus espinhos mas pode ser bela.

é preciso saber usá-la. é preciso domá-la.

para que serve? neste momento não tenho a certeza se tem alguma utilidade, a não ser dar-nos momentos de grande emoção e memoráveis. e também algumas dores de cabeça… e faz-nos também andar às voltas no mesmo sítio, perdidos, sem saber o que fazer. e não nos deixa estar sentados. e faz-nos querer tudo mas não nos deixa dar o primeiro passo pequenino. faz-nos querer tudo mas não nos deixa criar o plano. faz-nos querer tudo mas não nos deixa sentir o que é preciso para saber se queremos mesmo aquilo tudo.

mas mesmo assim pode ser bela porque podemos fazer uma corrida furiosa, cair de pára-quedas, entrar numa luta, numa competição, trepar uma árvore, mandar um berro, entrar no mundo de alguém por impulso, criar uma dança frenética e no final cair pró lado ofegante e sentir todo o corpo ao mesmo tempo, a latejar, a acordar da dormência.

mas por favor adrenalina não chegues quando eu quiser descansar. e por favor não insistas quando eu tiver medo. eu sei, eu sei que este também faz parte de ti, mas não posso escondê-lo de vez em quando? ou então peço-te, pelo menos, quando ele chegar, não te mostres mais assanhada. pode ser?

adrenalina, quando é que vais brotar como uma rosa?