Ser mulher

O que significa ser mulher? Para mim e neste momento…

Para ser mulher é preciso haver uma mudança. Essa mudança é evidente. Quando nos estamos a tornar mulheres reparamos nisso. Não é uma mudança que passa despercebida.

E como acontece essa mudança? É natural? Ela chega sem esforço? Não sei… não tenho a certeza. Só sei que uma vontade chega e dou por mim feliz por poder ser mulher mesmo que isso ainda me pareça apenas uma possibilidade. Mas já está. Já não há nada a fazer. Esse desejo nasceu em mim e eu sinto que há um potencial, uma mulher que pede para se mostrar e se não o fizer fica triste, perdida, sem poder.

De onde nasce esta vontade eu não sei, mas sei que daqui para a frente muito se constrói com uma vontade bem presente, bem consciente, de moldar o que ainda está meio tosco, pouco polido. Este refinar não acontece por si, sem que haja um esforço. O desejo é natural, vem, sem sabermos porquê, mas o parto é um esforço.

E como é que me apercebi deste desejo de querer muito ser mulher? É que sinto o mundo de outra forma. Sem vergonha de estar num lugar tão grande. Eu agora sei que mereço porque posso nadar nestas águas. Sei que fui feita para o fazer. Já não me sinto menina e desprotegida. Já não penso que deve ter havido um erro qualquer por não conseguir aguentar. Afinal a alquimia existe e há coisas que despertam em nós sem sabermos de onde vêm. Sempre duvidei da orgânica da vida, mas agora não, porque agora quero ser mulher. Eu?! Quem me pôs esta ideia na cabeça? Quem me pôs este sentimento no coração? Eu não sei. Só sei e tenho a certeza que não sou feita de pedra. E que prazer enorme é sentir esta vida a despertar, capaz de me fazer querer navegar e embrulhar em algo maior.

Eu sei que ser mulher significa alguma coisa. Todas somos diferentes mas acho que ser mulher é realmente um conceito bem redondo porque há uma definição tão óbvia.

A mulher tem prazer. A mulher sabe como o sentir em muita coisa. O prazer está realmente escondido e continua a ser uma surpresa para mim encontrá-lo em lugares tão estranhos e que um sentir menos atento jamais poderia perceber. O prazer é sentido numa certa postura, física sim! E que te dá um certo poder. Quem chama de mulher alguém que passeia com ombros caídos e cabeça baixa? Ali não vai nenhuma mulher. Esta, pelo contrário, tem um movimento gracioso, leve mas ao mesmo tempo bem acente. Por ali passa alguém, ela vê-se bem na sua confiante cabeça erguida, na sua humilde imponência. É humilde porque se mostra assim sem querer. Não tem outra escolha. Se é mulher, então tem força. Nada mais tem lugar. Há algo nela bem profundo que se faz sentir levemente. É leve porque se sente mas não se percebe realmente. Esta é a qualidade da verdade. Está lá mas não convida a análise. Está lá quase sem estar. A qualidade da verdade não nasce de um dia para o outro. É preciso tempo. É preciso tempo para ser mulher. Para transmitir verdade em vez de uma máscara ligeira.

A mulher passeia numa postura doce e humana. Esta postura dá-lhe um enorme prazer. É dela que vem uma vontade de querer ser grande, de querer fazer as coisas de uma forma bem presente, sem escapar, sem estar por estar. Não sei se é a postura que convida esta atitude ou se é ao contrário. Acho que as duas podem acontecer, mas não interessa. O que interessa é que a forma acompanha o que pode sair dela.

Há prazer em falar, de dizer o que tem de ser dito da forma certa. Há um prazer nisso e… quem não se sente atraído por isso? A mulher é atraente. Fala com prazer. Não é algo forçado ou escolhido. Sai assim porque é assim que tem de ser. Há muitas formas de falar, claro! Mas muitas delas podem partilhar uma qualidade. Uma conversa presente, uma conversa fresca é o que surge dessa qualidade. Pode ser mais brincalhona, pode ser mais séria, pode ser promíscua, atrevida ou zangada mas a qualidade está sempre lá.

Há prazer em abraçar o que nos nutre.

Há prazer em dizer que queremos que as pessoas fiquem perto de nós, sem vergonha. Porque a vergonha agora já não tem lugar. O que foi? Eu sou grande o suficiente para te poder dizer isto. Fica comigo. Preciso de ti. Tenho saudades tuas.

Há prazer em tocar nas coisas. E nas pessoas. CONTACTO. Há uma maior possibilidade no sentir. O toque desperta.

Há prazer em acreditar e imaginar algo mais. Algo novo. Mais que isto. Há mais que isto.

Há prazer em criar.

Quando se é mulher respira-se melhor. Mais fundo, mais em paz. De forma calma e pouco nervosa.

Quando se é mulher sente-se magia.

 

 

e… há prazer. Há realmente um maior prazer em tudo.